quinta-feira, 6 de agosto de 2015

70 anos da bomba de Hiroshima - Todos os adventistas sobreviveram!


Dia 6 de agosto de 1945, Hiroshima – Japão – primeira cidade na história a ser destruída por uma bomba atômica. Apesar da terrível devastação e perda de vidas, neste dia, no septuagésimo ano deste evento fatídico, vamos refletir nas histórias impressionantes dos membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia de Hiroshima. Todos sobreviveram!

ONDE TUDO COMEÇOU

Asako Furunaka nasceu no dia 12 de agosto e 1921, filha de um empresário de sucesso no Japão. Independente e muito inteligente, frequentou a escola noturna após se formar como professora. Aos 32 anos de idade, tornou-se repórter de um jornal, algo incomum para uma mulher naqueles dias. Casou com um professor universitário e, embora não tivessem filhos teve uma vida feliz. Um dia, porém, quando já se aproximava dos 50 anos, a vida de Asako foi abalada quando seu esposo confessou ter uma amante e pediu o divórcio. 

O desespero e a raiva a oprimiram e a tristeza e o ódio por seu marido enchiam seus dias e noites fazendo com que cresse que nunca mais confiaria m ninguém. Logo caiu em profunda depressão. Quando sua vida estava no fundo do poço, alguém a convidou para ir à igreja, começando a frequentá-la regularmente. Ali, aprendeu sobre o perdão, encontrou esperança na Bíblia e a paz retornou ao seu coração. No entanto, naquela época não conseguiu se decidir pelo batismo.

HISTÓRIAS INACREDITÁVEIS
Devido às suas habilidades e qualificações, ela foi convidada para ser a professora de Bíblia das crianças da igreja. Muito feliz, aceitou o cargo e começou a ensinar as lições da Escola Sabatina para as crianças. Um dia, a lição relatava a história do livro de Daniel, sobre os três jovens que foram salvos embora tivessem sido jogados na fornalha ardente por se negarem a adorar a imagem de ouro que o rei Nabucodonosor havia feito. (Daniel 3:23-27)

Ela contou a história, mas quando terminou, um dos garotos exclamou: ”Eu não acredito nisso!” Então uma menina disse: “Eu acredito porque minha avó sempre me conta como nenhum membro da igreja adventista em Hiroshima foi morto quando a bomba caiu naquela cidade.”

Ao ouvir isso a irmã Furunaka concluiu que, embora estivesse ensinando a lição, ela também não acreditava naquela história, nem podia acreditar no que a menina dissera. Ao mesmo tempo, porém, um pensamento veio à sua mente: “Eu sou jornalista, não sou? Então devo ser capaz de descobrir se o que esta menina está dizendo é verdade ou não. Eu realmente devo conferir esta história!”

Assim, começou sua pesquisa, visitando todos os membros da igreja que haviam estado em Hiroshima na época da bomba atômica.

DIA FATÍDICO 
O ataque nuclear ocorreu no final da Segunda Guerra Mundial contra o Japão, realizado pela Força Aérea dos Estados Unidos, na ordem do presidente americano Harry S. Truman, na manhã de uma segunda-feira dia 6 de agosto de 1945. 

Após seis meses de intenso bombardeio em 67 outras cidades japonesas, a bomba atômica "Little Boy" caiu sobre Hiroshima. Quando a primeira bomba atômica da história foi jogada (3 dias depois lançaram outra bomba em Nagasaki matando 80 mil pessoas), tudo foi destruído, instantaneamente, num raio de 2 km; a temperatura do solo alcançou inimagináveis 6.000º C. Todas as pessoas vivas, num raio de 4 km morreram queimadas. Foi provocada uma terrível ventania, com a velocidade de 4,4 km por segundo derrubando prédios inteiros e fazendo com que os estilhaços de vidro chegassem a até 16 km de distância. 

A radiação incrivelmente forte transmitida pela bomba, provocou, nos que estavam expostos a ela, a perda de todas as funções corporais e apoptose celular, um tipo de suicídio das células. Como resultado da explosão propriamente dita, os incêndios consequentes e as queimaduras pela radiação, 200 mil habitantes de Hiroshima perderam a vida.

NENHUM ADVENTISTA FERIDO
No meio de toda esta devastação, seria possível que nenhum membro da igreja, mesmo os que moravam a 1 km de distância de onde a bomba caiu, tivesse sido morto ou ferido? Incrédula a irmã Furunaka começou a visitar um por um, os membros da igreja que estiveram lá na ocasião.

O que encontrou foi que, mesmo em meio às mais terríveis possibilidades de morte daquele dia, nenhum membro da igreja pereceu ou ficou ferido.

A garotinha que dissera acreditar que os três fiéis rapazes foram mantidos vivos dentro da fornalha ardente, porque a sua avó sempre lhe contava que nenhum dos membros da Igreja Adventista de Hiroshima fora ferido, dissera a verdade.

Durante a sua investigação a irmã Furunaka ouviu o testemunho de um membro da igreja Hiroko Kainou que, ao ser surpreendida pela fúria do vento, caiu de joelhos e orou. Embora todos os vidros da casa tenham quebrado e voado, ela saiu sem nenhum arranhão. 

A irmã Iwa Kuwamoto que aos 83 anos ainda faz evangelismo de sua casa por telefone e por carta, estava a 1km do local onde a bomba caiu. Quando ela conseguiu sair debaixo dos escombros, pôde ver a nuvem semelhante a um cogumelo gigante, que escondeu o sol e envolveu a terra com sua escuridão. 

Ela tentou desesperadamente ajudar seu esposo, descrente na época, a sair dos escombros, mas os incêndios ameaçavam engoli-los. Tomando a mão do marido e chorando, a irmã Iwa disse: “O fogo está chegando. Não posso fazer mais nada, então vamos morrer juntos. Deus sabe de tudo. Por favor, creia em Jesus Cristo. Eu não posso salvá-lo!” Seu esposo, porém, disse: “Não, vou morrer aqui, mas você deve correr por causa das crianças. Você precisa encontrar as crianças e buscar um lugar seguro. Faça isso pelas crianças!”

Mais uma vez ela disse: “Não, não tenho como escapar do fogo. Vou morrer aqui com você.” Mas seu esposo não quis ouvi-la. Ele disse: ”Não! Eu estou bem aqui. Por muito tempo me rebelei contra você e minha mãe, e não acreditava em Deus. Mas agora eu creio na salvação de Deus, assim poderemos nos ver outra vez. Por favor, por favor, vá encontrar as crianças. Por favor, vá!” Assim, com lágrimas de desespero ela deixou seu esposo ali. Jogando água em seu corpo enquanto caminhava escapou das chamas e, mais tarde encontrou seus filhos.

Tomiko Kihara era médica e tinha sua própria clínica. Havia estado de plantão na noite anterior e chegara em casa às duas da manhã, de modo que dormia quando a bomba explodiu. Embora estivesse a menos de 1 km de distância do centro da explosão, nada caiu sobre ela e não teve um ferimento sequer. Assustada com a explosão, correu para fora para ver o que estava acontecendo. Mas, tudo o que pode ver foi o chão queimado e escuro. Reconhecendo a seriedade da situação, correu para o hospital do outro lado da cidade, e ali, por uma semana, sem descansar ou dormir, ela atendeu as vítimas, pois era um dos poucos médicos da cidade a sobreviver à explosão. Nas semanas e meses seguintes à tragédia, ela continuou dando tudo de si para ajudar as vítimas.

A Sra. Kino, agora pelos seus oitenta anos, vivia a cerca de 4 km do epicentro da explosão e não sofreu os principais efeitos da detonação. Tendo treinamento em primeiros-socorros, ela passou o tempo ajudando aqueles cujos corpos sofreram queimaduras com o calor da explosão.

Hoje ela vive num asilo de velhinhos de onde narra sua traumática experiência para crianças que freqüentam a escola. Contudo, ela não o faz num espírito de rancor. Antes, fala de esperança e de como ela e sua comunidade foram protegidas. Também fala da ajuda que ela e sua família foram capazes de conceder a outros.

“Eu conhecia a promessa divina na Bíblia de que 'ainda que muitos caiam, Eu salvarei'", diz a Sra. Kino. "De fato, penso que posso sentir essa promessa cumprida para mim própria. Penso que muitas coisas ocorrem no mundo, mas creio que a mais importante de todas é que devemos parar de lutar. Se aproximar-nos mais uns dos outros, nos darmos as mãos e crermos na paz, penso que isso propiciará um futuro brilhante".

A Sra. Sako tinha 17 anos de idade na ocasião. Ela estava a somente 1,5 km do epicentro. Diz que foi um milagre ter sobrevivido. Os postos militares de primeiro socorro recusavam tratar dela, dizendo a seu pai que tinham que ajudar aqueles que apresentavam alguma chance de viver. Ela sofreu por semanas com dificuldades para respirar, com severas queimaduras nas partes expostas de seu corpo, e com feridas infestadas por vermes e sentindo os efeitos da radiação.

"Desde então", declara, "eu realmente passei a detestar a guerra. Eu odeio as guerras. Realmente não desejo que meus filhos experimentem o que eu experimentei. Tento fazer o meu melhor para prevenir o que aconteceu".

A Sra. Sako explica que em sua fé adventista ela "encontrou algo que não muda. Tudo ao redor pode mudar, mas eu creio num Deus que não muda".

Um outro membro da igreja de Hiroshima na época, um pouco antes da bomba, testemunhou que uma voz falou a ele várias vezes para vender a casa e mudar pro interior. A família toda foi contra, mas com bastante persistência ele conseguiu vender a casa no centro de Hiroshima e mudar pro interior uma semana antes da bomba cair. Se estivesse em Hiroshima teria perdido tudo. Ele depois testemunhava que fora Deus quem o tinha avisado pra vender tudo e sair da cidade.

A IGREJA ADVENTISTA DE HIROSHIMA
A Igreja Adventista do Sétimo Dia de Hiroshima foi construída em 1917.

Em 1943, a instituição Grande Associação Patriótica Religiosa do tempo de Guerra no Japão, eliminou toda religião que não estivesse em harmonia com o xintoísmo. Desta forma, a igreja foi demolida. O primeiro ancião Morita San foi obrigado a supervisionar a demolição de sua querida igreja.

Mas, o que a princípio parecia uma maldição, tornou-se uma bênção. Por causa da perseguição religiosa até 4 de agosto de 1945 (2 dias antes da bomba ser lançada), a maioria dos membros da igreja de Hiroshima já havia deixado a cidade. Alguns permaneceram, inclusive Morita e sua família que também estavam presentes quando a bomba foi lançada e sobreviveram

Assim todos os 21 membros adventistas da igreja de Hiroshima foram salvos.

Apesar de oito deles já terem falecido pela idade avançada, os restantes continuam vivos.

CRENTE DE VERDADE
Como resultado de ouvir esses testemunhos, a irmã Iwa Furunaka veio a crer completamente em Deus e foi batizada. Recebeu, depois, um convite para falar da fidelidade do Salvador aos outros, e, aos 58 anos, matriculou-se no curso de teologia do Colégio Saniku Gakuin, no Japão. Após a formatura, tornou-se pastora da Igreja Adventista Kashiwa e, mais tarde, trabalhou como instrutora bíblica na Igreja Adventista Kisarazu. Mesmo depois de jubilada, continuou a ser uma ativa evangelista. Gozando de boa saúde aos 88 anos de idade (em 2011), ela disse: “Não tenho mais família aqui na terra, mas Deus me ama e eu estou contente.”

Com informações de Adventist World

2 comentários:

  1. Amem!! Louvado seja a Deus.
    Aqueles que me honram Eu honrarei. (Samuel 2:30)
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por participar. Abraço e fique com Deus!

      Excluir