terça-feira, 23 de maio de 2017

Senhor, estamos cansados deste mundo!

Estamos cansados deste mundo. O mundo que Tu criaste era bom, mas os seres humanos o tornaram turbulento, sem alegria e sem paz.

Por quê? Porque a dor é nossa companheira diária e constante. Não há dias sem dor. Alguém, certa vez, disse: “Cada dia tem um sorriso e uma lágrima.” 

As lágrimas são o quinhão de milhões e milhões de pessoas no vasto hospital deste mundo marcado por crime, violência e guerra.

Estamos cansados de ver pessoas morrerem pelo fato de homens não se amarem, não se entenderem. Quantos morrem devido ao orgulho de alguns e ao ódio de outros; devido à omissão de muitos e à indiferença desta geração que cada vez mais se afasta de Ti, Senhor. É triste ver como as pessoas encarnam a atitude do sacerdote e do levita, que passaram de largo, ignorando o moribundo à beira da estrada!

Estamos cansados de ver pessoas nas filas de hospitais suplicando uma atenção que lhes diminua a dor e o sofrimento. Entristecemo-nos ao vê-las retornarem com mais desespero ainda para casa.

Estamos cansados de ver uma noite de lua bonita e não podermos sair de casa devido à insegurança que invade ruas, avenidas, praças e rodovias. O espectro da morte está em cada esquina, em todos os lugares. O homem moderno perdeu a paz e o direito de viver serenamente.

Estamos cansados de não podermos ouvir o canto de um sabiá pela manhã devido ao ruído dos carros e das máquinas. Por que os homens vivem correndo de um lado para o outro? Por que não param para observar a beleza das flores e a alegria da passarada? Por que não dão prioridade ao Reino de Deus e Sua justiça?

Senhor, estamos cansados de ver pessoas transformarem a igreja em um clube social. Perderam a reverência diante da Tua presença. Os lugares em que deveria haver paz e quietude, estão sendo transformados em altares para a exaltação humana. Senhor, quanta gente ignora o que prometes em Tua Palavra: 
“Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos.” Isaías 57:15.
Estamos cansados de ver entre Teu povo a falta de interesse pelo estudo da Tua Palavra, por Teus ensinos, pelo culto familiar, pela oração e a comunhão pessoal.

Estamos cansados de receber informações acerca do sofrimento de muitos de Teus filhos, alguns dos quais chegam prematuramente ao descanso.

Estamos cansados, Senhor, de estar bem num dia e no outro, não.

Todas essas coisas nos tornam cansados deste mundo e nos levam a pensar no que tens prometido para nós: um lugar, uma casa, uma morada onde não haverá mais dor, onde não haverá mais lágrimas; um lugar onde poderemos estar contigo para sempre, um lugar onde veremos coisas que nossos olhos não viram, que não subiram ao nosso coração! 
“E [Deus] lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram.” Apocalipse 21:4
“Ali mentes imortais contemplarão, com deleite que jamais se fatigará, as maravilhas do poder criador, os mistérios do amor que redime. Ali não haverá nenhum adversário cruel, enganador, para nos tentar ao esquecimento de Deus. Todas as faculdades se desenvolverão, ampliar-se-ão todas as capacidades. A aquisição de conhecimentos não cansará o espírito nem esgotará as energias. Ali os mais grandiosos empreendimentos poderão ser levados adiante, alcançadas as mais elevadas aspirações, as mais altas ambições realizadas; e surgirão ainda novas alturas a atingir, novas maravilhas a admirar, novas verdades a compreender, novos objetivos a aguçar as faculdades do espírito, da alma e do corpo.” (Ellen G. White – O Grande Conflito, p. 677)
Senhor, leva-nos para esse lugar, pois é noite neste mundo, e estamos cansados! Leva-nos logo para o lar que nos prometestes e que já está preparado para aqueles que Te amam.

Pr. Ruy Nagel (1939 - 2015)

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Acidente de ônibus deixa vários adventistas mortos no México

Um acidente de ônibus em Chiapas, sul do México, deixou 17 mortos e 31 feridos no domingo, anunciou a Secretaria de Proteção Civil da região. O ônibus caiu em um barranco de 90 metros de profundidade na localidade de Motozintla, perto da fronteira com a Guatemala.

A polícia de Motozintla informou que os passageiros eram jovens integrantes da Igreja Adventista que retornavam de um retiro espiritual na cidade de Pijijiapan, na costa de Chiapas. As vítimas moravam nos municípios de Comitán, La Trinitaria e La Independencia, próximos à fronteira com a Guatemala. 

A Polícia Federal de Caminos, que participa nos trabalhos de resgate, afirmou que o acidente aparentemente foi provocado por uma falha mecânica. 

O presidente do México, Enrique Peña Nieto, expressou suas condolências às vítimas do acidente através de sua conta no Twitter. "Minhas condolências às famílias daqueles que perderam suas vidas no trágico acidente de ônibus em Chiapas", escreveu o presidente.

[Com informações da IstoÉ / Excelsior / Recursos Adventistas]

[Informações mais detalhadas em Adventist Review]



Nota: Como família adventista, estamos em oração com o desejo de que a paz e a esperança, que só Deus pode dar, possam confortar as famílias e amigos afetados por este trágico acidente.

Dia Internacional do Abraço - Bíblia, Pensamentos & Reflexões

O Dia do Abraço, comemorado internacionalmente em 22 de maio, começou pela iniciativa de um homem australiano em 2004, o qual criou a campanha “Free Hugs Campaign”, onde distribuía gratuitamente abraços pelas ruas de Sydney.

Você alguma vez já meditou sobre a importância do abraço? Se você pegar sua Bíblia e lê-la de capa a capa, descobrirá a importância que Deus dá aos relacionamentos, fraternos e amorosos. Deus é um Deus de relacionamentos, e através deles temos a oportunidade de expressarmos amor. E Deus é amor. Ellen G. White nos fala sobre a fraternidade humana no abraço de Deus:
"O santificado amor de uns pelos outros é sagrado. Nesta grande obra o amor cristão mútuo — mais elevado, mais constante, mais cortês, mais abnegado do que se tem visto — preserva a ternura cristã, a benevolência e polidez cristãs e envolve a fraternidade humana no abraço de Deus, reconhecendo a dignidade de que Deus revestiu os direitos do homem. Esta dignidade os cristãos têm de sempre cultivar, para honra e glória de Deus." (Mente, Caráter e Personalidade 1, p. 244)
O abraço, segundo alguns especialistas, faz bem para a saúde psíquica e física. Ele tem o poder de aumentar os níveis de uma substância chamada oxitocina, que tem a particularidade de reduzir os estados de stress e ansiedade, aumentando a felicidade e bem estar das pessoas. O abraço também pode diminuir os riscos de infecções, ajudar quem tem problemas para compartilhar emoções, reduzir a pressão arterial, e até aliviar a dor.

O abraço pode expressar: amor, amizade, companheirismo, proteção, afeto, segurança, apoio, conforto e outros sentimentos. O abraço estabelece uma ligação íntima e saudável entre as pessoas. É um gesto simples, porém carregado de sentimentos. 

Baseado na Bíblia, tentarei passar a importância de abraçarmos uns aos outros. 

Labão e Jacó - Um abraço de boas vindas: 
"E aconteceu que, ouvindo Labão as novas de Jacó, filho de sua irmã, correu-lhe ao encontro, e abraçou-o, e beijou-o, e levou-o à sua casa; e ele contou a Labão todas estas coisas." Gênesis 24:13 
Esaú e Jacó - Um abraço de perdão: 
"Então Esaú correu-lhe ao encontro, e abraçou-o, e lançou-se sobre o seu pescoço, e beijou-o; e choraram." Gênesis 33:4 
Davi e Jônatas - Um abraço de amizade: 
"E, indo-se o moço, levantou-se Davi do lado do sul, e lançou-se sobre o seu rosto em terra, e inclinou-se três vezes; e beijaram-se um ao outro, e choraram juntos, mas Davi chorou muito mais. E disse Jônatas a Davi: Vai-te em paz; o que nós temos jurado ambos em nome do Senhor, dizendo: O Senhor seja entre mim e ti, e entre a minha descendência e a tua descendência, seja perpetuamente." 1 Samuel 20:41, 42
Pai e filho pródigo - Um abraço de compaixão:
"A seguir, levantou-se e foi para seu pai. Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou." Lucas 15:20
Maria Madalena, outras mulheres e Jesus - Um abraço de alegria:
"As mulheres saíram depressa do sepulcro, amedrontadas e cheias de alegria, e foram correndo anunciá-lo aos discípulos de Jesus. De repente, Jesus as encontrou e disse: "Salve!" Elas se aproximaram dEle, abraçaram-lhe os pés e O adoraram." Mateus 28:8, 9
Jesus e as crianças - Um abraço de amor: 
"Alguns traziam crianças a Jesus para que Ele tocasse nelas, mas os discípulos os repreendiam. Quando Jesus viu isso, ficou indignado e lhes disse: "Deixem vir a mim as crianças, não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas. Digo-lhes a verdade: Quem não receber o Reino de Deus como uma criança, nunca entrará nele". Em seguida, tomou as crianças nos braços, impôs-lhes as mãos e as abençoou." Marcos 10:13-16 
Paulo e os anciãos de Éfeso – Um abraço de despedida: 
"Quando Paulo acabou de falar, ajoelhou-se com os irmãos e orou. Então todos choraram muito e abraçaram e beijaram Paulo." Atos 20:34 
Outra passagem bíblica que fala sobre a importância deste ato: 
"Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar." Eclesiastes 3:5 
Para concluir, fiquemos com estes três lindos pensamentos sobre o abraço: 
"Abraço tem que ter pegada, jeito, curva. Aperto suave, que pode virar colo. Alento tenso, que pode virar despedida. Abraço é confissão. Abraço não pode ser rápido senão é empurrão. Requer cruzamento dos braços e uma demora do rosto no linho. Abraço é para atravessar o nosso corpo." (Fabrício Carpinejar)

“O melhor do abraço é o charme de fazer com que a eternidade caiba em segundos. A mágica de possibilitar que duas pessoas visitem o céu no mesmo instante.” (Ana Jácomo)

"O abraço existe para podermos dizer a pessoa que amamos o quanto a amamos sem dizer nada." (Jorge Clésio)
Leia também Abraço em “morador de rua” surpreende pedestres em Balneário Camboriú

sexta-feira, 19 de maio de 2017

A Casa Caiu! Que Casa?

Escrevo com todas as telas ligadas. Nas últimas horas, o poço que já era fundo revelou ter lama mais embaixo. Nomeada Operação Patmos, as notícias fazem alusão a um cenário de “Apocalipse” político nacional. Desnorteados, testemunhamos pasmos a nudez crua da natureza humana, do poder que a seduz, e da corrupção regida pela ganância. Parece que não sobrará um sequer. Só que enquanto a manipulação desesperada das palavras se torna a boia fugaz dos afogados, eu prefiro estar nas fileiras dos defensores da máxima: que a Justiça faça justiça. Só isso? Longe de ser.

A casa caiu!

Esta frase popular se estampou hipnótica em inúmeras manchetes e comentários de mídias sociais. Desde o desmonte dos impérios construídos na vaidade às revelações bombásticas estremecendo um país, quando “a casa cai” a sensação é de uma mistura vulcânica de sentimentos: surpresa, revolta, incerteza, curiosidade e insegurança – muita insegurança.

No entanto, posso refletir acima dos pontos-de-vista? Com algo latente no coração de quem se vê neste olho de furacão? Então, lá vai:

Ok, a casa caiu, mas que casa?

Quer saber, as mansões humanas sempre foram feitas com a mesma solidez dos castelos de areia. Soberanos e suas legiões montaram seus exércitos sob um castelo de cartas. Inebriados por castelos de fadas, os que venderam sua alma honesta às custas do seu caráter, agora apenas se deparam com a fugacidade de suas Torres de Babel. E eu nisso tudo?

A verdade é que a minha casa não caiu. Pois quem faz da Bíblia a sua primeira constituição, e confia nas mãos do Altíssimo cujas galáxias repousam, sabe o que muitos esquecem:

Não há esconderijo que dure para sempre. Podem passar de segundos a milênios, um dia todos se depararão com o espelho divino de quem realmente são. É nele que se refletirão os mistérios mais guardados. O Livro dos livros já dizia: “nada há oculto que não venha a ser conhecido e revelado” Lucas 8:17. De Acã a Ananias, não haverá encoberto que Deus não conheça – até que um dia todos também conheçam.

Não há Band-aid que cure o câncer. Cada ser humano é ostensivamente tentado pelo que mais lhe enfraquece. A natureza pecaminosa tingiu nosso DNA de toxinas comportamentais. Somos o que não conseguimos disfarçar de Deus. E o pior? “O mal que não quero, esse faço. (…) Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” Romanos 7:19 e 24. O pecado é gravíssimo, e o medo de uma escolta policial batendo à porta ao amanhecer é o menor dos problemas. A questão maior é a corrupção generalizada de uma humanidade à mercê do mal.

Não há poderosos mais fortes que o poder de Deus. A volatilidade dos cargos e posições humanas, desde um faraó arrogante aos maiores estadistas do planeta, só reforça Quem é que tem a última palavra. Disse um pensador que “o pau-de-sebo do poder é escorregadio demais”. Nada mais verdadeiro. Ninguém vence uma queda-de-braço contra o destino da Justiça de Deus. Todos passam. Todos passarão. E o maior de todos do Oriente reconheceu isso: “o Senhor deu, e o Senhor tomou” (Jó 1:21). Ou seja, toda e qualquer liderança humana na face da Terra não passa de peças submetidas ao tabuleiro divino.

Não há crise que não seja profética. A Bíblia responde às perguntas mais urgentes da ansiedade humana. Até porque a Palavra de Deus é um livro profético revelando nas digitais da História a previsão e provisão divinas – sem qualquer imprevisto que não tenha sido contemplado pela Onisciência. “Certamente, o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o seu segredo aos seus servos, os profetas” Joel 3:7. E o que eles dizem? “Nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis. Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos…” II Timoteo 3:1 e 2. Alguém precisa de uma lista ainda mais atual?

Não há movimento social que remende um mal global. De boas intenções tem muito lugar cheio por aí. Sobram projetos, iniciativas, manifestações e ações sem fins lucrativos, mas faltam soluções eficazes que, simplesmente, resolvam o caos moral que nos assombra. De um bezerro de ouro, altar de frutas, ou uma orelha cortada, até os discursos inflamados de moralidade coletiva, presenciamos nos palanques da realidade que a humanidade não dá conta sozinha. Por isso, para Deus “não foram chamados muitos sábios, poderosos, nem de nobre nascimento” I Coríntios 1:26, exatamente porque ser humano não faz milagre, mesmo que fale bonito como um super-herói de papelão. Só o Senhor é capaz de consertar o orgulho original.

Não há incerteza maior do que a esperança. Sem clichês retóricos, mas as Escrituras sempre pavimentaram solidamente o futuro que nos aguarda: “Vi novo Céu e Nova Terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe” Apocalipse 21:1 (do mesmo livro bíblico que inspirou o nome da mais recente Operação). Os que vivem para esta Terra se tornam míopes para horizontes maiores, e são “os mais infelizes de todos os homens” I Coríntios 15:19. As convulsões políticas, bélicas ou financeiras são cumprimentos proféticos de um amanhã que nos fará esquecer de hoje. Se verdadeiras convicções só se revelam sob a sombra imponderável da crise, e você? Quem sabe para onde vai aguenta um pouco mais e só com esperança superamos nossos piores algozes.

Não há distração que justifique a perda da missão. Ou você vive por um movimento que arraste seus ideais mais vitais, ou será devorado pelas revelações contundentes de um mundo cada vez pior. É assim com a maioria dos sobreviventes que buscam âncoras frágeis em zonas de conforto. Distraídos pela tempestade destes tempos, não enxergam o sol dos novos tempos. E mais, para quem perde sua missão definida, toda emergência periga substituir o importante: que governos e partidos humanos jamais obstruirão a Onipotência. Por isso, procura-se um povo que se gaste pela promessa transformadora de ser luz nas trevas (Mateus 5:14), e sem se desgastar com o fim do mundo que é só o começo de outro melhor que está para vir.

Se a casa caiu, a minha permanece intacta – ainda que descascada pelas agressões de um mal que meus olhos se cansam de observar. E a sua? Como está a residência de seus propósitos eternos? “Vigiem, porque não vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor” Mateus 24:42. A promessa que embala nosso futuro é o alerta que ferroa nosso presente: mais que a militância impaciente contra os impunes, cuidemos para que de sal não viremos terra (Mateus 5:13). 
"O homem pode moldar as circunstâncias, mas não deve permitir que as circunstâncias o moldem a ele." (Ellen White, Mensagens aos Jovens, p. 194)
Ser diferente custa o preço de enfrentar todos os iguais. Este é um momento de solenes reflexões e impávidos princípios cristãos que revelem o que cremos a despeito dos que descreem.

Por fim, confesso ser impactado em minhas memórias por uma citação repassada dos meus pais até a minha filha, e mais relevante do que nunca: 
"A maior necessidade do mundo é a de homens – homens que não se compram nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o erro pelo seu nome; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao pólo." (Ellen White, Educação, p. 57)
É isso que falta no umbigo de um mundo cheio de si mesmo. Que se levante uma geração digna de encarar, ajudar, e se contrapor aos indignos. Porque Deus espera do seu povo mais do que votos conscientes, Ele anseia por filhos e filhas que ousem se apresentar perante o universo como cidadãos do verdadeiro Reino.

E a sua casa, está intacta?

Pr. Odailson Fonseca (via Notícias Adventistas)

Rivotril nunca mais!

Creio que poucas coisas estão mais em moda do que a ansiedade. Dos males contemporâneos já é sabido que essa figura está entre os principais. E não podia deixar de ser! A crise, desemprego, insegurança, doenças e morte só não são maiores que a cobrança de se estar sempre preparado para o que vier. Daí a vasta gama de comercialização de seguros - de carro, casa e até de vida.

Dificilmente quando paramos para uma auto análise, não nos vemos preocupados com o ingresso na faculdade, o final do curso, o ingresso no mestrado, a busca do primeiro emprego, prestação do carro, casa própria, a possibilidade do câncer, a volta do filho ao colégio… Verdadeiramente é um tempo sufocante. Incrível mesmo é como o Senhor lida com essas coisas: 
“Portanto eu lhes digo: não se preocupem com suas próprias vidas, quanto ao que comer ou beber; nem com seus próprios corpos, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante do que a comida, e o corpo mais importante do que a roupa?” (Mateus 6:25)
É quase inacreditável, não acha? A ordem parece louca! Como assim não se preocupar? Ora, se não formos nós, quem vai correr atrás? Esta é a razão: 
“Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida”? (Mateus 6:27)
O Deus soberano que criou todo o universo não está descansando. Ele cuida de nós de forma ativa. O mesmo poder que criou tudo que existe do nada está empenhado em fazer com que todas as coisas cooperem para o bem daqueles que O amam. (Romanos 8:28).
“Se não for o Senhor o construtor da casa, será inútil trabalhar na construção. Se não é o Senhor que vigia a cidade, será inútil a sentinela montar guarda.” (Salmos 127:1)
Nossa preocupação não tem poder de mover um só centímetro. Precisamos resgatar a noção de que o Senhor está presente em cada mínimo evento da história. Não existe acaso para os que acreditam no Deus da Bíblia.

E o mais fantástico disso tudo é a forma como Deus manifesta essa intervenção em favor dos seus: 
“Qual de vocês, se seu filho pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou se pedir peixe, lhe dará uma cobra? Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai de vocês, que está nos céus, dará coisas boas aos que lhe pedirem.” (Mateus 7:9-11)
Deus não apenas está no controle supremo de todas as coisas, mas também suas ações são motivadas pelo profundo amor e carinho que estende a nós. Ele não só guia os acontecimentos como o faz rearranjando-os a demonstrar seu cuidado em cada detalhe. Somos adotados! Foi Ele que nos ensinou a chama-Lo de Paizinho (Aba – Romanos 8).

Quando a ansiedade vier lhe assaltar te lembrando da imprevisibilidade do futuro, lembre-se que sua esperança não está nas coisas desta terra. Ainda que todos os males lhe acometam de uma só vez, se a sua vida está nAquele que comanda tudo com sua poderosa mão, alegre-se: suas tribulações estão produzindo pra você um peso de glória incomparável. E mesmo sem entender, é precisamente o melhor.

Busque em primeiro lugar o reino de Deus e a Sua justiça. Se apegue ao Senhor. Ame-O de todo o seu coração. Finque seus pés o mais fundo que puder na Rocha e agarre-se com todas as suas forças à cruz do Seu filho. Por mais incrível que possa parecer, o que resta a você é descansar. É dEle e somente dEle todo o trabalho!

Bons sonhos!

Raphael Cavalcanti (via Minha Vida Cristã)
"Não devemos permitir que o futuro, os difíceis problemas, as perspectivas insatisfeitas, façam nosso coração desfalecer, tremer-nos os joelhos, pender-nos as mãos. 'Que se apodere da Minha força', diz o Poderoso, 'e faça paz comigo; sim, que faça paz comigo.' (Isaías 27:5). Os que submetem a vida à Sua direção e ao Seu serviço jamais se verão colocados numa posição para a qual Ele não haja tomado providências. Seja qual for nossa situação, se somos cumpridores de Sua Palavra, temos um Guia a nos dirigir o caminho; seja qual for nossa perplexidade, temos um seguro Conselheiro; seja qual for nossa tristeza, perda ou solidão, possuímos um Amigo cheio de compassivo interesse." (Ellen G. White - A Ciência do Bom Viver, p. 248 e 249)

quinta-feira, 18 de maio de 2017

A falta de ética na política brasileira e a ética cristã

A ética é a parte da Filosofia que estuda os juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente a determinada sociedade, seja de modo absoluto. A ética, portanto, é o estudo dos valores que regem a conduta humana subjetiva e social. É o parâmetro que temos para julgar as ações que beneficiam ou prejudicam a vida humana neste mundo e nesta sociedade. A palavra ética tem origem na palavra ethos, que tem a ver com os costumes das pessoas. No latim é traduzida por mos ou mores (plural) que em português é ‘moral’. Ética contém os princípios da base da moralidade nos indivíduos e na sociedade, que leva a uma conduta aceitável para a convivência entre os seres humanos.

O clamor por “ética na política” se faz ouvir em toda parte. Todavia, desconstruído pelo relativismo moral e pelo individualismo de nossos dias, qualquer clamor por “ética na política” carece de fundamentos coerentes que lhe permitam fazer pronunciamentos morais e moralizantes.

Qual a base para se clamar por honestidade, sensibilidade, verdade, sinceridade, integridade e altruísmo na política se estes são conceitos considerados relativos e subordinados ao pragmatismo individualista, conforme a mentalidade de nossa época? Qual a base para se clamar em prol dos oprimidos, excluídos e sem-nada do nosso país se o ser humano é visto como fruto do meio e da seleção natural, onde sobrevivem os mais aptos, leia-se, os mais espertos, independentemente dos meios que se utilizam para isto?

Parece que neste momento da história do Brasil, nossos políticos perderam completamente seus parâmetros éticos. E a impunidade os ajuda no seu esforço de destruir e lançar ladeira abaixo as referências que fazem a vida humana tolerável e serena. Mas acredito, todavia, que a fé cristã oferece as condições necessárias para um clamor coerente por ética na política brasileira.

Vista da perspectiva cristã, a ética pode ser definida como o estudo da vida ética ensinada na Bíblia. A ética cristã em sua essência, é normativa, enquanto a ética secular é mais descritiva. Vai muito além dos costumes, comportamentos ou atitudes, pois tem a ver com o bem e mal revelados nas Sagradas Escrituras, e isso em termos absolutos. Em suma, a ética cristã se distingue da ética secular por se pautar não em padrões humanos de comportamento moral, mas em princípios divinos, ditados pelo próprio Deus, que por sua vez apresentam traços do caráter perfeito do Criador.

É significativo o pensamento de Oscar Wilde sobre ética comparando com caráter: 
“Chamamos de ética o conjunto de coisas que as pessoas fazem quando todos estão olhando. O conjunto de coisas que as pessoas fazem quando ninguém está olhando chamamos de caráter.” 
Esse pensamento é íntimo com o que nós, adventistas do sétimo dia, defendemos: a base de tudo é o caráter, que deve ser semelhante ao nosso Criador. O caráter tem por princípio o amor, que consta de modo prático nos Dez Mandamentos, a Lei de Deus. O amor é o princípio geral que deve ser nossa base para nossa ética de vida. O amor é o fundamento, a ética a aplicação desse fundamento. O fundamento, os outros não podem ver, mas o que fazemos, que é a ética, isso podem ver. 

A ética de Jesus está contida nos Seus ensinos e é ilustrada pela Sua vida. O tema central da mensagem de Jesus é o conceito do “Reino de Deus”. Uma das melhores sínteses da ética de Jesus está contida no Sermão da Montanha (Mateus 5 a 7). Os seus discípulos devem caracterizar-se pela humildade, mansidão, misericórdia, integridade, busca da justiça e da paz, pelo perdão, pela veracidade, pela generosidade e acima de tudo pelo amor. A moralidade deve ser tanto externa como interna (sentimentos, intenções).

Veja o que Ellen G. White, em Jesus, Meu Modelo, na página 162, nos diz sobre a ética de Jesus:
"A ética apontada pelo evangelho não reconhece outro padrão senão a perfeição da mente e da vontade de Deus. Deus requer de Suas criaturas conformidade com Sua vontade. A imperfeição de caráter é pecado, e pecado é transgressão da lei. Todos os atributos virtuosos do caráter se concentram em Deus, formando um todo harmonioso e perfeito. Toda pessoa que aceita a Cristo como seu Salvador pessoal tem o privilégio de possuir esses atributos. Essa é a ciência da santidade. 
Quão gloriosas são as possibilidades que se deparam à raça caída! Por intermédio de Seu Filho, Deus revelou a excelência que o homem é capaz de atingir. Através dos méritos de Cristo, o homem é erguido de sua condição depravada, purificado, e tornado mais precioso que as barras de ouro de Ofir. Ele tem possibilidade de se tornar companheiro dos anjos na glória, e de refletir a imagem de Jesus Cristo, resplandecendo mesmo no magnificente esplendor do trono eterno. Ele tem o privilégio de aceitar pela fé o fato de que através do poder de Cristo ele se tornará imortal." 
A fonte da ética cristã é o caráter de Deus, pois o homem é imagem e semelhança do seu Criador. A conduta moral dos filhos de Deus nos seus relacionamentos reproduz os atributos morais de Deus: A justiça, o amor, a bondade, a verdade, a pureza. Para os cristãos, Jesus Cristo é a encarnação perfeita do mais perfeito conceito de ética, que Ele revelou em todo o seu ministério, cujo ápice está na cruz do Gólgota. Em Filipenses 2:14,15, Paulo demonstra entender essa verdade.
"Fazei tudo sem murmurações nem contendas, para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo."
Os cristãos devem viver a ética cristã como opção pessoal na sua conduta em todos os seus relacionamentos. Pela sua conduta exemplar e pela palavra, denunciar os desvios éticos da sociedade. A mais veemente denúncia contra a falta de ética na sociedade será sempre o viver do cristão conforme a ética de Jesus. É o que o Mestre afirma em Mateus 5:16: 
“Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus”.
Não custa sonhar que um dia a fé cristã possa influenciar nosso país, e moldar nossa cultura com uma cosmovisão bíblica, oferecendo as bases morais, espirituais e lógicas para a ética na política.

Reflexão óbvia sobre os palavrões

Leia abaixo uma brilhante reflexão sobre palavrões de autoria de Norma Braga Venâncio, doutora em literatura francesa pela UFRJ e mestranda em teologia filosófica pelo Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Seu blog fala sobre cosmovisão cristã, teologia, arte e política.

Um dia, surpreendi-me comigo mesma quando, conversando
 com uma irmã após o culto, ouvi-a dizer m**** em meio a um discurso irritado. Não deixei que ela percebesse, mas aquele palavrão provocou em mim uma reação tão forte que não hesitei em classificá-lo como um nada previsível escândalo. Veio então o escândalo do escândalo: horrorizada por ter ficado tão escandalizada com um simples m****, resolvi, dali em diante, revogar a decisão anterior. Recomecei a dizer palavrões normalmente, não com a mesma frequência que no período pré-conversão, mas com regularidade quando sozinha e em companhia de cristãos tão "descolados" quanto eu.

Depois de algum tempo, porém, comecei a me sentir incomodada com o recurso frequente aos palavrões. Sozinha, bastava ficar irritada, que lá vinha um bem cabeludo, e em voz alta. Inquietava-me diante de Deus e também diante de um possível “flagra” dos homens: e se algum pastor, dentre meus conhecidos, passasse na rua exatamente em um momento desses? Somava-se a essas considerações uma vergonha especial: eu, não só profissional da palavra, mas uma missionária de idéias segundo minha própria definição, ciosa por abençoar a igreja com o que digo e escrevo, poria muito a perder com uma boca destemperada. Além disso, o ato de praguejar, longe de servir como vazão à raiva, apenas contribuía para confirmar a disposição errada de espírito. Tudo estava errado, mas eu ainda não me convencia totalmente de que deveria voltar a me abster dos palavrões.

Comecei então a orar a Deus sobre isso, até me dar conta do óbvio-mais-que-óbvio, algo de uma obviedade tão grande que passa despercebida da maioria dos simpatizantes de palavrões. Percebi que todos os palavrões, dos menores aos maiores, têm algo em comum: remetem invariavelmente ao sexo. São menções aos genitais, a coitos indesejados e/ou ilícitos, prostitutas e filhos de prostitutas, materiais fecais etc. A lógica do palavrão é estranha: ele une o ato de esbravejar e xingar aos dejetos do corpo ou ao ato sexual. E, mais estranho ainda, os palavrões que tratam de dejetos são bem menos fortes e mais tolerados socialmente que os que tratam do ato sexual. Palavrões, portanto, em suas formas mais pesadas, associam o sexo a explosões de raiva, a punições, ao descontrole entre pessoas que não se amam. 

E a conclusão é inevitável e aterradora: palavrões são formas de perversão. Se Deus criou o sexo como a expressão máxima do amor perpétuo, compromissado, entre um homem e uma mulher, é de um profundo desamor que nascem as aberrações sexuais – a masturbação, o "sexo casual", o aviltamento de partes do corpo até que se estraguem. Palavrões são cristalizações, no idioma, da alienação total de si e do outro pela busca de um prazer sempre deslocado, desgarrado, fora da alma: um prazer masoquista, misturado a ódio e desespero. Por que essas expressões tão opostas ao amor de Deus deveriam povoar a linguagem de um cristão?

Depois dessas reflexões decidi, não por pressão do meio, mas por mim mesma, que não quero que nada do que digo tenha parte nisso. Nem quando eu estiver sozinha, nem em pensamento.
“Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem.” (Efésios 4:29)
“Mas agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca.” (Colossenses 3:8)
“A sua boca fala do que está cheio o coração.” (Lucas 6:45)
"O poder da palavra é um talento que deve ser cultivado diligentemente. De todos os dons que recebemos de Deus, nenhum é capaz de se tornar maior bênção que este. Com a voz convencemos e persuadimos; com ela elevamos orações e louvores a Deus, e também falamos a outros do amor do Redentor. Não se deve proferir uma única palavra imprudentemente. Nenhuma maledicência, palavreado frívolo algum, nenhuma murmuração impertinente nem sugestão impura sairá dos lábios do seguidor de Cristo. Palavras torpes não significam somente palavras vis. Denotam qualquer expressão contrária aos santos princípios e à religião pura e imaculada. Incluem idéias impuras e insinuações malévolas. Se não forem repelidas imediatamente, conduzem a grande pecado. Nossas palavras devem ser expressões de louvor e ações de graças. Se o coração e a mente estiverem repletos do amor de Deus, isto será revelado na conversação." (Ellen G. White - Meditação Matinal - E Recebereis Poder, p. 197)
Assista também o vídeo da jornalista e criadora do blog Bonita Adventista Emanuelle Sales:

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Cuidado com as mudanças discretas!

Você deve conhecer bem aquela história dos sapos que pareciam espertos e, por isso, fugiram de uma panela de água quente, mas entraram confortavelmente em outra de água fria, que estava sobre o fogo. Sem notar, foram se adaptando à mudança de temperatura, até que não resistiram e morreram. Apesar da simplicidade, essa ilustração serve para mostrar como é fácil rejeitar o pecado quando ele mostra a cara, mas é ainda mais fácil ser enganado quando o inimigo disfarça suas intenções. No passado, Satanás foi mais direto e atacou o povo de Deus, assumindo claramente sua maldade. Hoje a estratégia dele é outra. Em lugar do confronto, ele vai inserindo discretamente suas ideias, e as mudanças ocorrem de maneira quase imperceptível.

O alerta de Ellen White é claro: 
“Agentes invisíveis estão em operação para fazer com que a falsidade se pareça com a verdade; erros estão revestidos com uma roupagem enganadora para que os homens sejam levados a ­aceitá-los como essenciais a uma educação superior” (Medicina e Salvação, p. 88).
São mudanças discretas, com foco especial nas novas gerações, e que estão nos conduzindo rapidamente para uma condição preocupante. Afinal, “as correntes do pecado são muito leves para ser percebidas até que fiquem muito pesadas para ser quebradas” (adaptado de Warren Buffett). Se não despertarmos em tempo, “aquilo que não vencermos acabará nos vencendo, e causará nossa destruição”, diz Ellen White (Caminho a Cristo, p. 32).

Você já notou como essas mudanças transformaram as duas principais celebrações ligadas a Jesus? A Páscoa enfraqueceu sua relação com a morte de Cristo e hoje é representada pelos coelhos e ovos de chocolate. O Natal, que simbolizava o nascimento de Cristo, hoje é representado pelo Papai Noel e seus presentes. Foram mudanças que aconteceram quase imperceptivelmente.

Há outras mudanças, ainda mais significativas biblicamente, que estão em andamento de maneira discreta, e precisamos nos proteger contra elas. Exemplos:

1. Mudança na guarda do sábado como um dia de adoração para um dia de recreação. As atividades espirituais do sábado vão se concentrando cada vez mais no programa da manhã, e o resto do dia é usado para a família, sono e recreação. Algumas dessas atividades são positivas e necessárias, mas não estão concentradas no crescimento espiritual, a verdadeira razão da existência do sábado.

2. Mudança de um casamento permanente para um casamento conveniente. O compromisso bíblico “até que a morte os separe” vai sendo substituído por “até que qualquer outro interesse os separe”.

3. Mudança na visão bíblica do sexo com a pessoa certa, da maneira certa e no momento certo para sexo com qualquer pessoa, de qualquer maneira e em qualquer momento. A partir daí, de maneira rápida, estão se multiplicando as opções e conceitos sexuais.

4. Mudança da crença no relato da criação para a visão de uma simples ilustração. Quando o relato de Gênesis 1 e 2 é tratado de forma alegórica, toda a mensagem bíblica é comprometida, com destaque para o surgimento do pecado, a salvação, o sábado, a família, a sexualidade e especialmente a segunda vinda de Jesus. Afinal, quem não crê na criação não será capaz de crer na recriação.

5. Mudança do foco externo para o interno. Estamos consumindo nossas energias cuidando de nós mesmos, melhorando nossa estrutura, aumentando nosso conforto, preparando programas espetaculares, resolvendo problemas de relacionamento, criando um ambiente mais protegido, e acabamos nos esquecendo de que não somos uma colônia de férias, mas um exército em campo de batalha. Não estamos no mundo para descansar, mas para salvar.

No fim, tudo se concentra na mudança discreta das prioridades do Céu para os interesses da Terra. Diante desse imenso desafio, o conselho inspirado é simples e eficiente: “Vigiai e orai” (Mt 26:41). Cuidado com as mudanças discretas!

Pr. Erton Köhler (via Revista Adventista)

Quem é o anticristo?

A palavra “anticristo” vem de um termo grego formado pela preposição anti (“contra”, “no lugar de”) e do substantivo christos (“Cristo”, “o Ungido”). Anticristo é, em primeiro lugar, alguém que pretende usurpar a posição de Jesus, apropriando-se ilegalmente de Suas funções. Essa palavra também pode significar os sistemas usados por essa pessoa para trabalhar implícita e explicitamente “contra” Cristo. Esse título revela as duas características essenciais do anticristo: ele engana ao ocupar o lugar de Cristo e oprime ou persegue o povo de Deus em seu conflito contra Cristo.

1. O uso do termo
O título “o anticristo” (em grego, ho antichristos) é encontrado no Novo Testamento apenas nas cartas de João. Primeiro, de acordo com João, o espírito do anticristo está em atividade através dos falsos mestres (1 João 2:18 e 22), o que mostra que o anticristo agiria dentro do cristianismo. O próprio título pressupõe que estamos lidando com a corrupção da fé cristã. O anticristo é contra a verdade revelada em Jesus, substituindo-a com sua própria compreensão de Jesus (1 João 2:22; 2 João 7). Segundo, a vinda do anticristo foi prevista nos ensinos apostólicos. João escreveu: “Como ouvistes que vem o anticristo…” (1 João 2:18). Os cristãos foram alertados sobre essa importante ameaça ao seu compromisso com Jesus. Terceiro, o anticristo poderia se manifestar por meio de sistemas ou instrumentos humanos: “também agora muitos se têm feito anticristos” (1 João 2:18). Esses indivíduos não são “o anticristo” propriamente dito, mas eles têm o “espírito do anticristo”, ou seja, possuem as mesmas intenções. Eles são instrumento dele (1 João 4:3). São a expressão histórica do anticristo dentro da igreja e, como tal, poderiam ser descritos como manifestações do “anticristo” (1 João 2:22; 2  João 7).

2. O anticristo original
O indivíduo a quem João chama de “anticristo” é mencionado em outros textos bíblicos. Originalmente ele era um ser celestial que se rebelou contra Deus e iniciou um conflito cósmico (Ezequiel 28:14-16; Apocalipse 12:7). Certamente ele era um poder antiDeus, portanto o anticristo que pretendia ser “semelhante ao Altíssimo” (Isaías 14:14). Seu objetivo final era ocupar a posição que pertence exclusivamente a Deus. Ele questionou e atacou o caráter de Deus para justificar suas ações. Ele foi expulso do Céu e, após a queda de Adão e Eva, fez deste planeta sua base de operações. Daniel se referiu ao anticristo usando símbolos que representam um poder histórico que, após a queda do Império Romano, uniu a igreja ao Estado, mudou a lei de Deus (Daniel 7:25) e usurpou a atividade sacerdotal de Cristo (Daniel 8:11). Isso descreve claramente o espírito e trabalho do anticristo na história.

3. Aparições pessoais do anticristo
O Novo Testamento prediz a apostasia dentro da igreja cristã (2 Tessalonicenses 2:3-4) e a considera como a manifestação do espírito do anticristo. De acordo com o livro do Apocalipse, a apostasia alcançará dimensões universais e será acompanhada pela vinda do anticristo em pessoa. O Apocalipse declara que será formada uma coalizão mundial sob a liderança das forças do mal (Apocalipse 16:13-14), acompanhada de milagres e sinais que alcançará seu clímax com a vinda do anticristo, descrito por João como produzindo “grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens” (Apocalipse 13:13; conforme 1 Reis 18:20-39). 

Paulo escreveu que “será, de fato, revelado [parousia] o iníquo”, usando o mesmo termo que empregou quando referiu-se à “manifestação [parousia]” de Cristo (2 Tessalonicenses 2:8-9). O anticristo tentará imitar a segunda vinda de Cristo. Essa aparição poderosa do anticristo enganará os habitantes da Terra. Eles irão adorar Satanás (o anticristo) e os sistemas político-religiosos que o apoiam (Apocalipse 13:4). O anticristo iniciará uma guerra para exterminar o povo de Deus (Apocalipse 13:15-17), mas este encontrará segurança no Senhor (Apocalipse 17:6), e não em armamentos humanos. Sua missão é proclamar o evangelho eterno de salvação e desmascarar o anticristo (Apocalipse 14:6-12). Finalmente Cristo vai libertar Seu povo e destruir o anticristo.

Angel Manuel Rodríguez (via Revista Adventist World)

Nota: Vejamos algumas citações de Ellen G. White sobre o anticristo:
"Nessa época aparecerá o anticristo, como o Cristo verdadeiro, e então a lei de Deus será anulada completamente entre as nações do mundo. Sazonará a rebelião contra a santa lei de Deus. Mas o verdadeiro chefe de toda essa rebelião é Satanás disfarçado em anjo de luz. Os homens serão iludidos e o exaltarão ao lugar de Deus, deificando-o. Mas a Onipotência intervirá." (Eventos Finais, p. 168)

"O último grande engano deve logo patentear-se diante de nós. O anticristo vai operar suas obras maravilhosas à nossa vista. Tão meticulosamente a contrafação se parecerá com o verdadeiro, que será impossível distinguir entre ambos sem o auxílio das Escrituras Sagradas. Pelo testemunho destas toda declaração e todo prodígio deverão ser provados. " (O Grande Conflito, 593)
"Cristo é a única verdadeira norma de caráter, e aquele que se põe como padrão para os outros, está-se colocando no lugar de Cristo. E visto haver o Pai dado “ao Filho todo o juízo” (João 5:22), quem quer que presuma julgar os motivos dos outros está outra vez usurpando a prerrogativa do Filho de Deus. Esses supostos juízes e críticos estão-se colocando do lado do anticristo, 'o qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus' (2 Tessalonicenses 2:4)." (O Maior Discurso de Cristo, p. 125)
"Cristo é nosso exemplo. A determinação do anticristo de levar a cabo a rebelião que ele começou no Céu continuará a operar nos filhos da desobediência. Sua inveja e ódio contra os que obedecem ao quarto mandamento tornar-se-ão cada vez mais intensos." (Mensagens Escolhidas 3, p. 401)
"O anticristo, representando todos os que se exaltam contra a vontade e a obra de Deus, no tempo designado sentirá a ira dAquele que a Si mesmo Se deu para que não pereçam, mas tenham a vida eterna. Todos os que perseveram na obediência, todos os que não venderem a alma por dinheiro ou pela aprovação de homens, serão inscritos por Deus no livro da vida." (Manuscrito 9, 1900)
"O espírito do anticristo está se desenvolvendo rapidamente. Em breve haverá um tempo em que aqueles que seguem sua natureza humana, que manifestam paixão por supremacia, serão achados do lado errado." (Olhando para o Alto, p. 324)
Neste vídeo do prof. Leandro Quadros, saberemos como identificar o anticristo:

Qual a influência da alimentação na espiritualidade?

Que alimentos específicos influenciam na disposição, no metabolismo e na clareza mental você já deve saber. Mas será que uma alimentação saudável pode influenciar na sua espiritualidade? Como tudo isso funciona?

Uma alimentação nociva e degradante pode interferir no bom funcionamento do organismo. O cérebro, como parte desse todo, também sofre essa influência negativa e acaba diminuindo sua atividade. Industrializados, embutidos, comidas artificiais ou cheias de condimentos, assim como frituras e proteína animal, tornam o processo de digestão muito pesado e mais lento. O corpo leva tempo para digerir e metabolizar esses “nutrientes”, deixando as demais áreas do organismo trabalhando em ritmo menos acelerado. Nesse compasso mais letárgico, o cérebro fica impossibilitado de comunicar-se adequadamente com o corpo, mente e espírito. Tais alterações impactam diretamente não apenas o físico, mas também sua vida espiritual.

Os seres humanos são dotados de uma clareza mental que os diferencia de qualquer outro ser na face da terra. Podemos facilmente discernir sobre questões complexas e fazer escolhas baseadas na razão, o que nenhum animal é capaz de fazer. Se você é uma pessoa espiritual e crê em um Ser superior, saiba que a clareza mental potencializa a forma como você se comunica com aquilo em que acredita. Com essa leveza fica mais fácil entender, ouvir, discernir e entrar em contato com Deus.

Dicas para Melhorar sua Clareza Mental
- Dormir e descansar o corpo adequadamente contribuem para uma melhor clareza mental.
- Alimentar-se de forma correta e equilibrada deixa o organismo muito mais saudável e com energia.
- Suplementação alimentar pode ser necessária em caso de deficiência nutricional.
- Exercícios físicos potencializam a clareza mental.

A espiritualidade faz parte da vida da maioria dos seres humanos. Por isso é de fundamental importância falar mais sobre esse assunto que muitas vezes é deixado em segundo plano. A forma como você vive fisicamente pode afetar consideravelmente sua espiritualidade, levando a doenças, ansiedade, depressão e descrédito na vida. Não contamine nem embace sua mente com alimentos desnecessários e uma rotina que enfraqueça a única forma de comunicação com Deus. Deixe a porta aberta para ouvir tudo aquilo que Ele deseja te falar.
“E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:2
Jaqueline Cabral (via Tudo para Vegetarianos)

Nota: Leia também os capítulos Regime e Espiritualidade e Regime Alimentar Apropriado, ambos do livro Conselhos sobre o Regime Alimentar e O Regime Alimentar e a Mente do livro Mente, Caráter e Personalidade 2, todos de autoria de Ellen G. White. Vejamos apenas um texto:
"Ninguém que professe piedade considere com indiferença a saúde do corpo, iludindo-se com o pensamento de que a intemperança não é pecado e não afeta a espiritualidade. Existe íntima correspondência entre a natureza física e a natureza moral. Necessitais de mente clara, enérgica, a fim de apreciar o exaltado caráter da verdade, apreciar a expiação, e dar a devida estimativa às coisas eternas. Se seguis uma errônea direção e condescendeis com hábitos errados no regime alimentar, enfraquecendo assim as energias mentais, não dareis à salvação e à vida eterna aquele alto apreço que vos inspirará a pôr a vida em conformidade com a vida de Cristo; não fareis, para obter inteira conformidade com a vontade de Deus, aqueles diligentes, abnegados esforços que são requeridos por Sua Palavra, e necessários para dar-vos o preparo moral para o último toque da imortalidade." (Conselhos sobre o Regime Alimentar, p. 43)