quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Como lidar com a depressão do final de ano?


Quando o clima natalino se aproxima e o ano entra na reta final, as pessoas fazem um balanço das metas alcançadas e o confronto entre expectativa e realidade pode dar aquele aperto no peito. Se esse desconforto gerar sintomas mais graves, pode ser a hora de buscar ajuda profissional. O psiquiatra e psicanalista Antônio Viola tira dúvidas sobre a “crise de fim de ano”:

1. Por que o fim do ano gera mais ansiedade e depressão?
A ansiedade e a depressão, na verdade, podem ocorrer o ano todo. Porém, existem mais gatilhos no fim do ano. Aumenta muito o movimento no consultório no último trimestre, principalmente por ser um período de reflexão, quando ocorre uma idealização das relações. Todos se deparam com objetivos não concretizados e, ao fazer um balanço do ano e projetar planos, aumenta a ansiedade. A época também intensifica o convívio com familiares, o que traz à tona conflitos do passado.

2. O que pode desencadear uma crise de ansiedade ou depressão?
Segundo a minha experiência, as pessoas, em geral, não sabem bem o que querem. Isso leva a uma renovação dos desejos. Então, mesmo quando atingem o objetivo, não ficam satisfeitas e sempre buscam alguma coisa, mas esse ideal nunca se realiza. É o mal pós-moderno da insatisfação constante.

3. Na sua opinião, 2016 foi um ano mais difícil do que os outros?
Esse ano afetou mais as pessoas sim, principalmente por fatores externos como o desemprego e a crise econômica. A surpresa da demissão, por exemplo, afeta profundamente, porque a pessoa se sente desamparada, impotente e apreensiva de não manter o padrão de vida. Já o encerramento de negócios, por exemplo, é fator de risco para depressão e afeta a autoestima.

4. Como lidar com a “crise de fim de ano”?
Procurar ajuda profissional, pois cada tratamento é individualizado e dura entre seis meses e dois anos. Também ajuda manter uma atividade física regular, alimentação saudável, sono tranquilo, não se automedicar e evitar drogas e álcool.

5. Qual a diferença entre depressão e tristeza? Quando procurar ajuda?
A depressão é a tristeza que persiste, traz prejuízo para o trabalho, para as relações, podendo gerar insônia, perda de apetite e até crise de choro. Quando a tristeza não passar por um mês, é indicado buscar ajuda médica. (Elas por Elas)

Nota: Segue abaixo mais alguns conselhos de Ellen G. White para combater a depressão:
"Por ser o amor de Deus tão grande e inalterável, os doentes devem ser estimulados a confiar nEle e ficar animosos. Estar ansioso quanto a si mesmo tende a causar fraqueza e doença. Se eles se erguerem acima da depressão e da tristeza, será melhor sua perspectiva de restabelecimento; pois 'os olhos do Senhor estão sobre os que esperam na Sua misericórdia' (Salmos 33:18)." (A Ciência do Bom Viver, p. 229)
"Lembra-te de que em tua vida, a religião não deve ser uma simples influência entre outras. Deve ser uma influência dominadora sobre todas as outras. Sê estritamente temperante. Resiste a toda a tentação. Não faças nenhuma concessão ao astuto inimigo. Não dês ouvido às sugestões que ele põe nos lábios de homens e mulheres. Tens uma vitória a alcançar. Tens nobreza de caráter a alcançar; mas isto não consegues enquanto estiveres deprimido, e desanimado pelo fracasso. Quebra os laços com que Satanás te tem preso. Não há necessidade de que sejas escravo seu. 'Vós serei Meus amigos', disse Cristo, 'se fizerdes o que Eu vos mando (João 15:14)." (Medicina e Salvação, p. 43)
"Não é de desprezar o sentimento de segurança; devemos dar graças a Deus por ele; quando, porém, vossos sentimentos se deprimem, não julgueis haver Deus mudado. Louvai-O da mesma maneira, porque confiais em Sua Palavra, e não em vossos sentimentos. Fizestes o concerto de andar pela fé, não de ser regidos pelos sentimentos. Estes variam com as circunstâncias." (Nossa Alta Vocação, p. 124)
"Quando a depressão baixa sobre a alma, isto não é evidência de que Deus tenha mudado. Ele é o mesmo 'ontem, e hoje, e eternamente' (Hebreus 13:8). Estareis seguros do favor de Deus quando sois sensíveis aos raios do Sol da justiça; mas se nuvens pairarem sobre vossa alma, não vos deveis sentir abandonados. Vossa fé tem de atravessar as sombras, vossos olhos devem ser simples e todo o corpo será pleno de luz. As riquezas das graças de Cristo têm de ser conservadas na mente. Entesourai as lições que Seu amor provê. Seja vossa fé qual a de Jó, para que possais declarar: 'Ainda que Ele me mate, nEle esperarei.' (Jó 13:15). Apegai-vos às promessas de vosso Pai celestial, e lembrai-vos de Seu antigo trato convosco e com os Seus servos; pois 'todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus' (Romanos 8:28)." (Review and Herald, 24 de janeiro de 1888)
O relacionamento com Deus e o envolvimento com Sua obra também são excelentes remédios para o deprimido. No relacionamento com Deus encontramos a esperança que afasta a desesperança da depressão, e a alegria que afasta a tristeza, assim como a segurança que afasta o medo. No serviço do Senhor, focamos em beneficiar os outros e, tirando o olhar de nós mesmos, podemos ter uma perspectiva mais positiva da vida, além do senso de utilidade que uma vida de serviço nos trás. O Deus Criador é um Deus de amor. Ele deseja ver todos bem e felizes, inclusive você. Ore agora e peça ajuda a Ele para que você consiga superar suas dificuldades e passe um feliz final de ano!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...