sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Testemunho: Estudante adventista tira nota 1000 na redação do Enem

Ler e escrever são duas grandes paixões da estudante mineira Tamyres dos Santos Vieira, de 20 anos. O reflexo disso pôde ser visto no resultado do último Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A jovem ficou entre os 77 inscritos que tiraram nota mil na redação, que em 2016 teve como tema “Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil”.

Tamyres, que é adventista de berço e frequenta a igreja central de Juiz de Fora (MG), conta que, desde que começou a fazer o Enem, sempre tirou notas próximas de mil na redação. Fruto de muita leitura, treino e, como costuma enfatizar, confiança em Deus.

Numa entrevista que concedeu ao portal de notícias G1, ela disse que a conquista pode servir de incentivo a outros colegas que enfrentam desafios no Enem por conta da guarda do sábado. “Também sou sabatista e, mesmo com o desgaste adicional do dia anterior, devido à espera, consegui fazer um bom texto”, ressaltou.

Em entrevista à Revista Adventista, ela completou: “Essa [nota] é a prova de que Deus nos dá força e capacidade quando Ele quer nos usar como Seus instrumentos”.

Estudante de Medicina numa faculdade particular de Juiz de Fora, Tamyres não pensa em usar a nota do Enem para obter vaga numa universidade pública, pelo menos por enquanto. Sua principal motivação para continuar prestando o exame é outra: “O meu objetivo é testemunhar”, realça a jovem que estudou durante 11 anos na escola adventista da cidade. [Revista Adventista]

Leia na íntegra a redação da estudante adventista que alcançou nota máxima no Enem em 2016:

“É mais fácil desintegrar um átomo que um preconceito”. Com essa frase, Albert Einstein desvelou os entraves que envolvem o combate às diversas formas de discriminação existentes na sociedade. Isso inclui a intolerância religiosa, comportamento frequente que deve ser erradicado do Brasil.

Desde a colonização, o país sofre com imposições religiosas. Os padres jesuítas eram trazidos pelos portugueses para catequizar os índios, e a religião que os nativos seguiam – a exaltação da natureza – era suprimida. Além disso, a população africana que foi trazida como escrava também enfrentou fortes repressões ao tentar utilizar sua religião como forma de manutenção cultural. É relevante notar que, ainda hoje, as religiões afro-brasileiras são os maiores alvos de discriminação, com episódios de violência física e moral veiculados pela mídia com grande frequência.

Concomitantemente, ainda que o Brasil tenha se tornado um Estado laico, com uma enorme diversidade religiosa devido à miscigenação que o constituiu, o respeito pleno às diferentes escolhas de crença não é realidade. A palavra religião tem sua origem em ‘religare’, que significa ligação, união em torno de um propósito. Entretanto, ela tem sido causa de separação, desunião. Mesmo que legislações, como a Constituição Federal e a Declaração Universal dos Direitos Humanos, já prevejam o direito à liberdade de expressão religiosa, enquanto não houver amadurecimento social não haverá mudança.

Por tudo isso, é imprescindível que todos os segmentos sociais unam-se em prol do combate à intolerância religiosa no Brasil. Assim, cumpre ao governo efetivar de maneira mais plena as leis já existentes. Ademais, cabe às escolas e às famílias educarem as crianças para que, desde cedo, aprendam que têm o direito de seguir suas escolhas, mas que devem ser tolerantes e respeitar as crenças do outro. Afinal, como disse Nelson Mandela, ‘a educação é a arma mais poderosa para mudar o mundo’. Dessa forma, assim como a desintegração de um átomo tornou-se simples na atualidade, preconceitos poderão ser quebrados.

25 comentários:

  1. Fenomenal a técnica e retórica aplicadas a este texto. Um encontro de filosofia e realidade. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito. Demonstrou conhecimento do assunto pelo vocabulário Expresso. OU talvez não, colocou no papel aquilo que aprendeu de verdade durante os anos. Parabéns

    ResponderExcluir
  3. Tirou 1000 na redação, porém tirou nota Zero em Evangelismo. O Apelo a tolerância se baseia no direito de culto afro. Enquanto o Cristianismo continua a ser a religião mais perseguida no mundo todo. Como diria Philip Jenkins: "O anti-cristianismo é o último preconceito aceitável."

    O texto pode ter sido impecável do ponto de vista estrutural e gramatical mas carrega em seu "dna" o relativismo cultural e politicamente correto, duas variantes filosóficas que só possuem um único objetivo Impedir a pregação da verdade. Seja ela a verdade que é Cristo, seja a verdade do ponto de vista moral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você entendeu assim, porque quis entender o que queria entender.

      Excluir
    2. Quem disse que prova de redação do ENEM é palco de proselitismo? Claro que não é! Ela fez uma redação boa. Dissertou sobre o assunto. A nota por si só, é um bom testemunho. Mania de crente querer defender e pregar suas verdades para os outros! Isso é praticar intolerância!

      Excluir
    3. Numa redação como a do Exame se deve analisar o ponto de vista da banca através dos textos de apoio, que neste caso apontavam diretamente para o fato das religiões de matrizes africanas serem o maior alvo de intolerância. A estudante fez nada menos do que o correto: a erradicação do preconceito contra essas minorias. É ridículo seu ponto de vista, a pregação se dá no testemunho diário e Deus a permitiu tirar essa boa nota para que o Brasil veja que ela é uma serva do Senhor e com capacidade intelectual, ir contra a proposta é analfabetismo funcional, me poupe, vamos amar tbm o diferente os que são diferentes de nós e que também sofrem a intolerância e aí sim através desse testemunho muitos irão aos pés de Cristo!

      Excluir
    4. Concordo c vc unknown, pois a matéria diz q ela não precisa usar a nota, só passa pela prova para testemunhar. Ela descorreu perfeitamente sobre o tema global do assunto, porém ficou longe, mto longe, de testemunhar.Pois pelo q eu saiba,TESTEMUNHO é para propagar o Evangelho de Jesus que por sinal não identifiquei nenhuma ênfase. ... pronto falei! !!!

      Excluir
    5. O posicionamento dela é prova de que a sociedade sempre tem que se adequar com as mudanças do meio, coisa que não concordo. Talvez a redação seria um caminho de propagar o evangelo, pq esse negócio de intolerância religiosa é uma das formas de nos intimidar a falar de Deus. Claro que com respeito sempre conseguimos levar as boas novas do evangelho.

      Excluir
    6. O testemunho a que ela se refere na matéria não é diretamente em um texto, que a princípio seria lido por apenas algumas pessoas da bancada de avaliação, mas sim seu exemplo na Guarda do verdadeiro dia do Senhor que, sim é uma verdade que como estão dizendo aqui, deve ser dita mas poucos querem escutar!

      Excluir
  4. Verdade. A redação não foi condizente com a fé dela. Nessas horas vemos que muitos seriam capazes de negar a Jesus.

    ResponderExcluir
  5. Ela fez uma redação sobre O combate a intolerancia religiosa não sobre EVANGELISMO!!!
    Affff o mal do mundo é a inveja...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *LUCIANE OLIVEIRA* INVEJOSA !A REDAÇÃO ERA SOBRE INTOLERÂNCIA E NÃO EVANGELISMO E ELA TESTEMUNHOU GUARDANDO O SÁBADO.E VOCÊ NÃO TEM CAPACIDA PRA CHEGAR AO PÉS DA REDAÇÃO DELA QUERIDA! FICA A DICA E VAI CUIDAR DA TUA VIDA E PROCURA FAZER ALGO DE ÚTIL PRO MUNDO SE É QUE VOCÊ SABE KKK!

      Excluir
  6. Eu gostei, eu nao sei escrever tao bem quanto ela. Que Deus a abençoe, ela fez o que lhe pareceu bem, devemos respeitar as demais religioes, essa matéria será lida por muitas pessoas de outras religioes, a Tamyres ao meu ver, mandou uma mensagem nessa redaçao que ensina a pensar nos demais, e nao em si mesmo.Isso faria JESUS!

    ResponderExcluir
  7. Nenhuma Verdade se fundamenta na Imposição de Crenças aos outros. Uma Verdade sem Amor, Respeito e Tolerância é uma praga, seja de qual orientação for.

    ResponderExcluir
  8. Entende-se como redação, o relato ou escrita de fatos, quer reais, quer imaginários, resultantes da atuação de pessoas, coisas ou animais. Não é apenas o fato apresentado que deve ser interessante e original. A linguagem narrativa deve ser atraente e cativante. sendo assim a Jovem foi maravilhosa em sua narrativa de fatos como tambem na liguagem apresentada. Parabens menina, muito bom!

    ResponderExcluir
  9. Redação mt boa parabéns....só o fato dela ficar de 12 até as 19:00 para realizar o enem no sábado já é sufiente para compartilhar a fé e provar que Deus é fiel
    #😏

    ResponderExcluir
  10. Parabéns....a fé dela foi destada qnd ela estava fnd a inscrição e colocou que que é adventista e só o fato dela ficar de 12 ate as 19 para realizar o enem já é o bastante para provar que é cristã e que Deus é fiel e justo e não deixa seus filhos desamparados..
    #😏

    ResponderExcluir
  11. Redação perfeita, nota 1000, e ainda assim tem comentários intolerantes aqui! Sendo a redação sobre intolerância é, no mínimo, pra rir!
    Século XXI e uns querendo sobrepor ideologia religiosa sobre o outros. Certo fez esta moça linda e inteligente com o que escreveu na redação. Daqui a algum tempo o país terá uma médica competente e delicada! Parabéns à ela e à sua família! ❤❤

    ResponderExcluir
  12. Parabéns a ela que desenvolveu o tema exigido, como deve ser: imparcial. Lembrando aos desavisados, que em redação não se deve dar a sua opinião, os achismos, impor a sua ideologia,sua crença.

    ResponderExcluir
  13. Se alguém que tira nota 1000 mesmo não tendo as mesmas condições dos demais concorrentes, por preferir ser obediente ao que crê, não estiver testemunhando, não sei mais o que é testemunhar! Parabéns! Que Deus continue honrando sua fidelidade!

    ResponderExcluir
  14. O conteúdo da redação mostra como o marxismo cultural está presente na educação brasileira e nossas escolas não estão livres disso.

    ResponderExcluir