quarta-feira, 29 de junho de 2016

Ellen White ligou os muçulmanos aos eventos dos últimos tempos?


Há apenas um parágrafo nos escritos de Ellen G. White falando desse assunto. É uma referência histórica no apêndice de O Grande Conflito que ela menciona o que hoje chamamos de Islamismo.
"O Salvador disse: 'Quem crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece' (Jo 3:36). E outra vez ele disse: 'E a vida eterna é esta: que te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste' (Jo 17:3). O Islamismo tem seus conversos em muitos países, e seus defensores negam a divindade de Cristo. Será esta crença propagada, sem que os defensores da verdade consigam demonstrar intenso zelo pela derrota do erro, ensinando aos homens sobre a preexistência do único Salvador do mundo? Oh, como precisamos de homens que esquadrinhem e creiam na Palavra de Deus, que apresentem Jesus ao mundo em Sua natureza divina e humana, declarando com poder na demonstração do Espírito que 'debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devemos ser salvos' (At 4:12). Oh, como precisamos de crentes que apresentem Cristo na vida e no caráter, que O representem diante do mundo como o resplendor da glória do Pai, proclamando que Deus é amor!" (The Home Missionary, setembro de 1892)
Jesus Cristo não é uma figura completamente desconhecida aos muçulmanos. Isa (nome árabe de Jesus), considerado um profeta do Islamismo, é citado em 15 capítulos e 93 versos do Alcorão.

Em relação ao Cristianismo, o Islamismo tem algumas semelhanças, mas também diferenças significantes. Assim como o Cristianismo, o Islamismo é monoteísta. No entanto, os muçulmanos rejeitam o conceito da Trindade – ou seja, que Deus se revelou como um em três pessoas distintas: Pai, Filho e Espírito Santo. O Islamismo clama que Jesus era apenas um profeta – não o Filho de Deus. Os muçulmanos acreditam que Jesus, embora nascido de uma virgem, foi criado como Adão. 

Os muçulmanos não acreditam que Jesus tenha morrido na cruz, mas sim, que Deus o levou ao céu para que Ele seja uma testemunha contra os judeus. Para a tradição islâmica, o homem que morreu no seu lugar foi Judas ou Simão de Cirene. Eles não entendem por que Alá permitiria que o Seu profeta Isa sofresse uma morte torturante. Contudo, a Bíblia mostra como a morte do Filho de Deus foi fundamental para pagar pelos pecados dos crentes (Isaías 53:5-6, João 3:16, 14:6, 1 Pedro 2:24).

O Islamismo ensina que se pode ganhar o paraíso através de boas obras e obediência aos Cinco Pilares. A Bíblia, pelo contrário, revela que o homem não pode se comparar com um Deus santo (Romanos 3:23; 6:23). Apenas por causa da misericórdia e amor de Deus os pecadores podem ser salvos através da fé em Cristo (Atos 20:21; Efésios 2:8-9).

Embora o Islamismo seja a segunda maior religião depois do cristianismo, e os muçulmanos sejam o grupo religioso que mais cresce no mundo, poucos tiveram a oportunidade de conversar com um cristão. Oito em cada dez muçulmanos nunca conheceram um verdadeiro cristão, apontou o site Mission Network News. Apenas uma pequena parcela de muçulmanos no Oriente Médio estão familiarizados com o cristianismo, de acordo com a CBN News.

Devido a estas diferenças e contradições essenciais, o Islamismo e o Cristianismo não podem ser ambos verdadeiros. A Bíblia e o Alcorão não podem ambos ser a Palavra de Deus. Mas apesar disso, é importante desenvolver amizades com a comunidade muçulmana para construir uma confiança que vá permitir que os cristãos possam compartilhar o Evangelho, e assim, esse grupo poderá atender ao chamado “sai dela, povo meu” para se juntar ao povo da aliança eterna.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...